Experimentando

Uma professora da faculdade propôs que escrevêssemos, em três parágrafos, nossos próprios finais para alguns contos escritos por autores famosos. Eu fiquei com os dois primeiros parágrafos de um conto do Dostoiévski. Nunca tinha lido Dostoiévski antes, mas me interessei pelos dois parágrafos e resolvi aceitar o desafio.
Os parágrafos em negrito são dele e o restante é meu:

O Subsolo


Eu sou um homem doente... Sou um homem malvado. Sou um homem desagradável. Creio que tenho uma doença do fígado. Aliás, não compreendo absolutamente nada da minha moléstia e não sei mesmo exatamente onde está o mal.


Não me cuido, nunca me cuidei, se bem que estime os médicos e a medicina. Demais, sou extremamente supersticioso, o bastante, em todo o caso, para respeitar a medicina (sou bastante instruído: poderia então não ser supersticioso, mas sou). Não! Se não me trato, é pura maldade de minha parte. Não sabereis certamente compreender. Pois bem! Eu compreendo. Não podereis evidentemente explicar-vos em que errei, agindo assim tão malvadamente: sei muito bem que não são os médicos que eu incomodo, recusando-me a tratar-me. Não engano senão a mim mesmo; reconheço-o melhor que ninguém. Entretanto, é mesmo por malvadez que não me trato. Sofro do fígado! Tanto melhor! E tanto melhor ainda se o mal piora.


Penso que sofro também de outras moléstias, mas tem sido difícil para mim detectá-las. Tanto faz! Já estou aqui há alguns dias. Perdi a conta, mas sei que é tempo bastante para que meus pulmões e intestinos tenham me abandonado. Essas roupas de algodão que me deixaram são bem confortáveis. Mas os que estão aqui há mais tempo, disseram que as roupas de algodão se vão mais rápido, o que significa que, em breve, nem minhas roupas terei mais.


O fígado permanece. Posso senti-lo. Ele, que me colocou aqui, será o último a me abandonar. É um fígado doente, porém leal. Ao contrário do resto do corpo, que já está enrugado e amarelo. Mas sou um homem paciente e sei que logo, tudo isso estará acabado. E será bom, pois não terei mais problemas com enfermidades.


Por enquanto, apenas espero e observo, enquanto minha carne serve de banquete. Menos o fígado doente. Está intacto. Penso que isso acontece para que eu tenha tempo de me arrepender pelo fato de não tê-lo tratado. Mas não! Não sou homem de me arrepender. Nem preciso... nem se precisasse! Talvez ninguém entenda esse meu pensamento também. Mas vão entender assim que seus corpos sadios sucumbam a uma hepatite, ou cólera, ou câncer, ou acidente grave... assim que seus corpos, antes sadios, também venham parar aqui no subsolo.






6 comentários:

  Shê!

22 de março de 2009 11:54

Ai meu Deus! Eu adoro roupas de algodão,puro algodão! O.o

E adoro mais ainda os contos do Dostoiévski.
Me bateu uma vontade louca de lê-lo agora.

Belo e mórbido final! Abraços.

  Guilherme

25 de março de 2009 11:10

Guilherme o.o

subsolo?? xD lembro meu Submundo ^^

Parabens ^^ pelo blog

  Ângelo

25 de março de 2009 19:25

Muito bacana.

Gosto muito do Dostoiévski e você realmente escreveu MUITO bem.
Ficou bem bacana o seu final ficou realmente BASTANTE legal.

Devia pensar em escrever uns continhos, certamente sairiam muito legais.

Parabéns, bom trabalho de equipe entre você e esse russo aí.

euheue

  tessituraemaranhada

29 de março de 2009 20:00

Não vi diferença entre seu texto e o dele. Se me mandasse dizer, pela leitura, a partir de onde é seu ou o que é seu, sinceramente, não saberia apontar.
Parabéns pela redação, tenho certeza de que vão gostar!

Beijos!

  Gabriel Pinheiro

30 de março de 2009 11:05

Sou extremamente suspeito para falar de Dostoiévski. O Fiódor é uma das minhas leituras favoritas. Fala-se que Hemmingway, ao ler Dostoiévski, pensou em desistir de escrever diante de tal capacidade.
Feliz de você que, não apenas não se intimida, como dá um fim, coerente e agradável, a um conto iniciado pelo metre russo.
Abraço,
Gabriel Pinheiro

  Meire

6 de abril de 2009 19:55

Bacana o texto!
Deve ser legal de fazer isso com outros...rs

Postar um comentário